Entre a Ponte e o Labirinto

Existe tanta identidade no contrário
Só não existe identidade aqui na gente
A gente é mais que projeto planetário
Vivendo no exílio da roda indigente

Existe a fúria e existe a calmaria
Os seus trajetos afetados de amor
A sua angústia era a minha rebeldia
A minha casa já é de outro senhor

No tempo antigo não havia o próprio tempo
As coisas são como são de parecer
Manancial de vinho, vulcão e vento
E ligação com todo aquele outro ser

A essa altura já perdemos nosso ninho
E da janela já entrou o velho caos
Eu mesmo homem, me sinto um menino
Mirando a morte em seu rosto abissal

E entre cacos quebrados no caminho
Eles fizeram sinais de comunhão
Viam a gente como se fosse um espírito
Da mesma vida ou de uma outra encarnação

Nunca entendi porque deixaram-me viver
E contrair essa dívida animal
Eu choro agora, mas não sei nem o porquê
Eu sinto a dor lá do fim do carnaval

E assim me perco entre a ponte e o labirinto
Esqueço e finjo essa minha intuição
Hoje, adulto, ainda me sento e brinco
Buscando em risos uma outra explicação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s